quarta-feira

ainda sobre versos




Rimbaud mercante
Lorca na mira de fuzis
Pessoa em múltipla solidão
são almas adormecidas
das quais me fiz amigo
embora bem o saiba
que letras não se tornam trigo
delas nem sempre se faz o pão

este oceano de palavras até
me ilude com seus rompantes
mas não penso ter o sol nas mãos
não será téssera minha poesia
para adentrar a eternidade
ou ainda alguma academia

Nenhum comentário: