quarta-feira

deleatur

consuma o fogo
as palavras que grafei
para que não perdure a esmo
a dor que me envenena

para que não lancem os olhos
em meus versos brancos
pois que bem mais cores tem
a flor da açucena