domingo

sem simulacros, reis ou rainhas

da poesia não faço
um tabuleiro
um mover palavras
como um enxadrista
pois dos versos
cátedra não tenho

falo apenas de
sóis e desencantos
de asas sem rumo
do gris das nuvens
de barcos sem portos
do matiz das estações
que silenciam

nas entrelinhas vai
um pouco do nada que sou
do que calo em solidão
não há uma estratégia
para o que palavra é
para o que é coração

Nenhum comentário: