domingo

mesmo que não caudal

de Pessoa não invejo o Tejo
pois, arcanos ciclos da natureza
as lusitanas águas onde
singravam os olhos dele
aqui ribeirinhas foram um dia

e não importa se inverno
outono, primavera ou estio
ora dormente, ora enchente
é o Mandu nosso eterno rio

Nenhum comentário: