domingo

a poesia de Creta


"A queda de Ícaro", Jacob Peter Gowy

da gaivota não
tenho as asas
outro é meu passo
voar não posso
embora em rompantes
de Ícaro
ambicione o sol

a poesia minha é
o que sinto
sendo por vezes
palavra
outras tantas
labirinto

se dela fujo
morre-me o eu
primeiro como
que em queda
depois afogado
em águas que não
do mar Egeu

3 comentários:

Alexandre Bonafim disse...

Partitura de sopros, acordes de delicadez ímpar. ABração.

Alexandre Bonafim disse...

FAltou um a em delicadeza, desulpa. rs. abração de novo.

Graça Pires disse...

As palavras trancadas no labirinto da boca...
Um belo poema a remeter para a mitologia que eu tanto aprecio.
Um abraço.