quinta-feira

nas brumas do que me falta


"Campo das papoulas", Vincent van Gogh

eu já tive nos olhos
o lume da estrela
mas adagio que não ouço
a felicidade de mim
não mais se avizinha

e agora não me bastam
o enlevo de brisa e palavra
ou presságios do outono
nesta tempestade sem
abrigo que é a solidão

e vão é mais um
dia terminado
dissonância na harmonia
da paisagem a luz em fuga
e o amor um cais
não encontrado

2 comentários:

Adriana disse...

há vários momentos de solidão em tua poesia, " a luz não encontrada, o cais..." tudo muito belo, mas em tom de tristeza...mas, tudo é poesia.

Graça Pires disse...

A solidão é mesmo uma tempestade sem abrigo. O amor pode ser um cais não encontrado. Mas você, meu amigo, ainda tem nos olhos o lume da estrela... Um beijo.