quarta-feira

quão concludente um ocaso possa ser


"Passeio ao crepúsculo", Vincent van Gogh


vai além do gestual de asas
a insígnia dos pássaros
para esse desamparo
que me atrela ao chão
e tênue é a fronteira dos azuis
nesse longe onde
o coração dispus

não é ária ou elegia
a dor que me confunde
está estampado assim
nos vitrais da tarde
o que eu sempre soube
não fosse meu destino
de nele nunca navegar

e mar claro seria o amor
ainda que apenas céu
sobre mim o firmamento

4 comentários:

Adriana disse...

D Àngelo, que bom que voltaste, ainda mais com um lindo poema destes...senti apenas ao longe um desamparo...é como um mar nunca dantes navegado..será?

Elizabeth F. de Oliveira disse...

D'Ângelo, belo poema.
Adoro as pinturas de Van Gogh.
Grande abraço.

Graça Pires disse...

O poema vai além do gestual de asas onde, lentamente, se desenham outros voos.
Que bom ter regressado...
Um beijo, amigo.

Ane disse...

Estive ontem no Masp,em SP,diante desta tela e fiquei comovida.Hoje, encontrei, sem querer, esta postagem sua com o poema, maravilhoso!
Vou copiá-lo e colocá-lo em meu Blog,que é um arquivo daquilo que mais aprecio, com os devidos crédito, é claro! =)
Por favor, se tiver alguma objeção, favor entrar em contato.



Parabéns!