quarta-feira

entre as matizes da estação


"Paisagem de outono", Vincent van Gogh

de soslaio o coração nada
diz assim inconfesso
palavras enredadas nos
quadrantes do outono
verso nenhum se detendo
nos acenos de abril

conspirações do vento
tramam naufrágios
amarelecidos e quedos
são folhas meus sonhos
e uma dor sem intermezzo
eu sépia no azul da estação

4 comentários:

Graça Pires disse...

"verso nenhum se detendo
nos acenos de abril"
Ao contrário de mim onde todos os versos se detêm nos acenos de Abril que quero guardar no coração para sempre, apesar das "conspirações do vento" .
Bem bonito este seu poema. Um beijo.

Adriana disse...

gostei dos tons que deste ao poema...o abril outono já meio amarelado, amarelecido e quedos, folhas.o azul da estação... me remete à um dia frio e cheio de sol, assim bucólico como na pintura.Achei sensível.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Que as matizes da estação sejam uma constante inspiração para seus versos.
beijo no coração

mfc disse...

Os outonos e os frios ficaram para trás...
Vêm aí os dias longos e bons!