domingo

do que sobeja incessante


"Barcos de pesca no mar", Vincent van Gogh

navegante enquanto
eu for
serão palavras
meus navios
sem sóis ou faróis
repleto de solidão
meu mar

perdida a primavera
da rosa-dos-ventos
entre correntezas
e sextantes
sobejam desencantos
eu sitiado em minha
dor por desaguar

7 comentários:

Graça Pires disse...

Navegante dos seus sonhos traz nos olhos a nostalgia de outro céu...
Um beijo, meu querido Amigo d'Angelo.

Fernando Campanella disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luciana Marinho disse...

o mar a nos ter por dentro

..........................

Luciana Marinho disse...

obrigada!

=)

Lisa Alves disse...

Não desistir jamais dos bravios mares. Ondinas perversas sempre atacam os navegantes. Temos apenas que continuar. belas palavras poeta!:)

Primeira Pessoa disse...

belo poema. bela associação imagem-palavra.
também sou mineiro, como você.
e admiro essa viagem de versos que você faz tão bem.
parabéns.
roberto lima.

líria porto disse...

belos os teus versos - desci até aqui, vou continuar...
grande abraço