segunda-feira

da noite antecipada


"Vista de Auvers", Vincent van Gogh

não posso deter
o rapto das luzes
o presto das asas
tornar ridentes
os sinos
se também tudo
em mim é ocaso

e qual a tarde em
entreatos pereço
no meu coração
já sendo noite
bruma e não mais
que palavras
a vida por orquestrar

3 comentários:

Luciana Marinho disse...

temos em comum um "ocaso"!

belo texto.
bj!

Graça Pires disse...

Antecipar a noite para que o ocaso seja um lugar de fascínio.
Um beijo, meu anigo.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Felizes são as palavras que te acompanham, pois que não vives só, é a poesia tua maior companheira de todas as vidas.
Que seja sempre esse ocaso uma linha do horizonte escrita da mais bela poesia.
Que assim seja!
Sempre!