segunda-feira

contrapontos


"O improvisador", Emilio Pettoruti

enquanto sendo
sonata de silêncios
não mais detenho palavras
nem conto quantas vezes
em seus contrapontos
a vida me diz não

sem articular versos
coleciono amores
em preto e branco
o tempo tingindo de
sépia os sonhos
e o coração em mim

3 comentários:

Luciana Marinho disse...

me deu vontade de dizer
vamos articular versos
a vida vive
sim


grande abraço!

Elizabeth F. de Oliveira disse...

'o tempo tingindo de sépia os sonhos', que imagem linda!

Gosto muito dos teus poemas.

Abraços,

Graça Pires disse...

Os sonhos em sépia. Os amores a preto e branco. Nessa sonata de silêncios há um imaginário que reitera entregas e recusas...
Gosto de o ler meu querido amigo.
Um grande beijo.