sábado

entre azuis e jasmins


"O Jardim do Outono", Vincent van Gogh

neste adágio de abril
suave é a canção do outono
desenhando seus enleios
entre azuis e jasmins

tudo previsto de antemão:
a despedida das folhas
a dor fronteiriça, a nova estação
eu sem par seguindo assim

pois a solidão que me enreda
é mar que há muito me antecede
e a palavra que naufraga não
resgata em mim o coração

3 comentários:

Luciana Marinho disse...

e o outono nos desfolhando...
lindo poema em sua suavidade triste.

abraço, d'ângelo!

Graça Pires disse...

Outono: quando arde um poente à passagem dos pássaros...
Um beijo meu amigo.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Viver o outono é caminhar sozinho por entre as folhas da estação.
Há várias formas de viver o outono, porém, poético como esse, poucos há, ou quase nenhum.
Belíssimas palavras!