domingo

desígnios do outono



"Jardim de Outono", Vincent van Gogh


junto das folhas que caem
talvez meu desencanto faça
parte dos desígnios do outono
que me usurpa todas palavras
impondo-me assim silenciar

e nada resta a não ser acatar
adormecer neste interstício
em outra estação adivinhar
uma chancela para a poesia
o amor em toda sua primazia

Um comentário:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Desejo que essa estação a se adivinhar seja primavera eterna em seu coração, com chancela perpetuamente aberta para a poesia de viver.
Lindo poema, meu caro!