domingo

sem a prerrogativa de um farol










 
"L'aubade",  Pablo Picasso

de palavras nem um sinal
do amor rumor nenhum
fazendo de mim um barco
sem  a prerrogativa
de um farol

como que ilhado num
atol sem longitude
como que mareando em
naufrágio a travessia

como se nada restasse do
que me fora norte um dia
ao me enveredar assim
além-mar, além de mim

2 comentários:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

A poesia é teu farol, posto que te norteia e te naufraga e te margeia, com palavras que são o presságio da tua alma nesse além-mar, tão longe, mas tão perto de ti.


Sempre bela e lírica a tua poesia.

Graça Pires disse...

Como se fora um barco na tormenta...
Um beijo, meu amigo.