sexta-feira

a confluência das palavras















"Trecho do Sena perto de Giverny", Claude Monet


procuro em mim a
confluência das palavras
no que o céu rememora
asas e outros azuis

e um delta dos ventos
onde aguardar de setembro
a primavera que em
sutilezas ressurgirá

medrando pétalas
em profuso alento
numa álgebra de mais
sim do que não

contrastando o preto e
branco dos meus versos
com as cores ímpares
da estação

2 comentários:

Graça Pires disse...

As palavras vão confluir no olhar do Poeta que vê "as cores ímpares da estação" com a subtileza das sílabas coloridas ou a preto e branco...
Um beijo, meu amigo.

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Teus versos possuem o colorido de uma primavera eterna, cujas flores perfumam as entrelinhas da tua poesia.

Belíssimo poema.