domingo

azul efêmero















"Barcos na praia de Etreat", Claude Monet

em lugar de sonhos
inflando velas
depois de milhas
de sol e sal
em tristezas
ancoro

os passos sem
bússola me
fazendo náufrago
ainda que meu
mundo tanto
diste do mar

ou ainda que
as águas deste
azul efêmero
sejam somente as
que submergem
meu olhar

Um comentário:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Tua poesia é veleiro a navegar sem rumo sobre ondas líricas num mar perpétuo de solidão.


Belo, como sempre.