sexta-feira

entre paisagens não desveladas















"Verde campo de trigo", Vincent van Gogh

funâmbulo à deriva
coleciono desencantos
entre  paisagens
não desveladas

entre sobressaltos
de silêncios e
palavras enredadas
eu que nunca  brisa, trigo
índigo ou  girassol

eu  nada sendo no
que sou assim
jamais  prelúdio e
quase sempre fim

sábado

pretensos rituais ou dança















"Natureza morta e guitarra", Pablo Picasso

monólogos desenho no
que sempre sou palavra
algo quase que noite
quase que nunca dia

e os passos que ensejo
pretensos rituais ou dança
são coreografias de tropeços
auto gestual sem resposta

palco e personagem sou de
órbitas de desencontros
numa rítmica que fugidia
um ballet sem par, sem melodia

o azul que se extravia















"Efeito da neve em Limetz", Claude Monet

entre palavras que se vão
o que amanhece em mim
é  tão-somente o inverno
ainda que outra a paisagem

pois  entreabertos nas mãos
só os estribilhos do nada
o azul que se extravia
nenhum  sonho a contrapor

além do que coleciono assaz
a tristeza em furta-cor
tudo que me é não e nunca mais