sexta-feira

a confluência das palavras















"Trecho do Sena perto de Giverny", Claude Monet


procuro em mim a
confluência das palavras
no que o céu rememora
asas e outros azuis

e um delta dos ventos
onde aguardar de setembro
a primavera que em
sutilezas ressurgirá

medrando pétalas
em profuso alento
numa álgebra de mais
sim do que não

contrastando o preto e
branco dos meus versos
com as cores ímpares
da estação

domingo

na impossibilidade de ser dia
















"A musa",  Pablo Picasso

mar sem regresso
o que me dispunha
ao verso silencia
e sem o lume que
medra do amor
nada me resgata

nem sonatas
nem sonetos
a vida em surdina
ilhada em incerta
madrugada

transfigurada na
impossibilidade
de ser dia
desconstruindo em
mim a poesia

azul efêmero















"Barcos na praia de Etreat", Claude Monet

em lugar de sonhos
inflando velas
depois de milhas
de sol e sal
em tristezas
ancoro

os passos sem
bússola me
fazendo náufrago
ainda que meu
mundo tanto
diste do mar

ou ainda que
as águas deste
azul efêmero
sejam somente as
que submergem
meu olhar

sábado

num cânone de tristezas










 

"Paisagem de inverno (memórias do Norte)", Vincent van Gogh

já não me importam
as aves em gavota ou
nuances da paisagem
ainda que contemple os
azuis em retirada

quase finda a invernada
amores rememoro num
cânone de tristezas 
em claves de silêncios sem
das notas as espirais

ou em versos ocasionais
de palavras esquivas em
inexata orquestração  
desnudando meu coração

domingo

ante fotografias baças










 
  


"Mulher de boina e vestido marcado", Pablo Picasso

                                 Em memória de Silvana Márcia Saris


agora nada resta além
de coligir lembranças
marejar os olhos ante
fotografias baças

vidraças de décadas
tentar atravessar
para sonhos e centelhas
de amor abrigar

e ficar aqui neste
distante cais
na dor imensurável
do nunca mais

enquanto você
felicidade
singra pelo mar
da eternidade