domingo

na impossibilidade de ser dia
















"A musa",  Pablo Picasso

mar sem regresso
o que me dispunha
ao verso silencia
e sem o lume que
medra do amor
nada me resgata

nem sonatas
nem sonetos
a vida em surdina
ilhada em incerta
madrugada

transfigurada na
impossibilidade
de ser dia
desconstruindo em
mim a poesia

2 comentários:

Mar Arável disse...

Bem-vindo ao meu mar

neste ciclo de marés

Abraço

Elizabeth F. de Oliveira disse...

A poesia é aurora em ti, um sol interno, cujos raios são versos a brilhar intensamente em cada coração.
Um poema iluminado.