domingo

algo além de aves em dissonância















 

 

"Um prado nas montanhas: Le Mas de Saint-Paul", Vincent van Gogh
 
quero das palavras
algo além de aves
em dissonância

ou de voos por
labirintos e abismos e
epígrafes de silêncios

quero paráfrases do vento
e ainda e só o verso
em lugar do exílio

para recobrar asas 
mitigar desenganos

e delinear outros mapas
que não os da solidão

terça-feira

meus olhos que antes girassóis












  


 "Campo com papoulas, primavera em St. Remy", Vincent van Gogh

apenas sei sinuosas
as palavras
no que esgrimo
entre silêncios

sem um vórtice
que alardeie algo
ao coração

sem ousadia de asas
vida estanque entre
ausências e bemóis
   
são cegos os vislumbres
para meus olhos que
antes girassóis

domingo

entre abismos e estrelas















"Campos verdes de trigo", Vincent van Gogh

eu que antes ave
e infinito
trôpego agora me
limito ao chão

colcheias de silêncio
coleciono num
eterno outono
ainda que primavera

e nada semeio
enquanto a vida
me espera entre
abismos e estrelas

e me confunde
em solidão

segunda-feira

sem sol e sem asas














"A estrada de Vetheuil sob a neve", Claude Monet

esse pacto desfeito
com a palavra
assim se traduz

sílabas incógnitas
nenhum verso cúmplice
silêncio em ostinato

nenhum azul relato
uma clave de pedra
a me pautar 

sem sol e sem asas
para invernar


domingo

não mais que dunas e desalento
















"Praia de Varengeville", Claude Monet
  

silêncios tenho navegado
sem que as palavras
venham me aportar

então não aludo a barcos
pois que desertos
percorro e não o mar

vislumbro não mais
que dunas e desalento
nesta dúbia paisagem

de degraus de aridez
e solidão 

e oásis nenhum
para o coração