quinta-feira

o verdadeiro moleiro



















"Moinho de La Galette", Vincent van Gogh
 
moinho silenciado
meu coração da falta de
ventos se ressente
e  assim calado me traz
o travo do trigo ausente

pás inertes, bem sei
o amor é o verdadeiro
moleiro
e a vida se reticente
é pedra de moer sem dó
quem vive só

2 comentários:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Teu coração é moinho de poesia em movimento, cuja beleza é singular silêncio em forma de palavras.
Lirismo puro!

Graça Pires disse...

Meu querido amigo, que poema nostálgico, embora belo. O amor é tão urgente como o pão de cada dia...
Um beijo.