sábado

luminescena

vem a calhar
esta luna amarilla
que não passa em branco
nem aos que náufragos
como eu
outrossim que a olhos
expectantes

em sertões seja
cidades ou nalgum cais
a beleza aporta
a noite aclara
como se fora dia
e no oceano sideral
a órbita llena faz
o coração alhear-se
do quanto silencia

Nenhum comentário: