sábado

Vincent réquiem

nimbos em borrão
contrapõem céu e terra
rugem azuis presságios
de tormenta
turbulento é o ouro
dos trigais

dilacera a tela
uma estrada rumo ao nada
cairão cromatismos em
abismos
girassóis e ciprestes
nunca e não mais

corvos fugidios
não esperam a tempestade
está por um fio a vida
da alma insana
cuja obra semeia
eternidade

Nenhum comentário: