terça-feira

o mar que está fora do lugar



 Aquarela de Henrique Coutinho

nele são outras  as tormentas
entre o inesperado dos nimbos
e o tempo a ondular
somente esse o azul que
meus olhos singram
que em vão sem asas ou velas
as montanhas tentam tocar

em Minas o céu é o mar
que está fora do lugar

2 comentários:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Minas possui um belo horizonte, banhando de azul um céu pleno de poesia. Mas, mais do que isso, Minas é horizonte de poetas como você, que, com palavras, desloca o mar, para banhar de versos essas montanhas que desenham, com poesia, a paisagem do seu coração.

Graça Pires disse...

Há um fado de Coimbra que diz assim: "Pergunta ao mar eternamente azul a razão de ser da sua cor, às vezes verde, às vezes cinza, mas é o céu o seu primeiro amor". É com certeza esse céu de Minas que faz o azul singrar em seus olhos...
Um beijo, meu amigo D'Angelo.