sábado

sem as bençãos de Netuno


Claude Monet

pelos rochedos
estilhacei ondas
das aves orquestrei
a debandada
ungindo com o sol
mais de uma enseada

destinos ordenei
aos barcos
os ventos dispus
em quadrantes
à paisagem dei azuis
acrescidos de rompantes

no cais sonhei com quem
não e nunca me quis
enquanto o mar soçobrava
entre o amor e seus anis

Um comentário:

Elizabeth F. de Oliveira disse...

O azul matizando de lirismo tua poesia. Muito lindo!