sábado

dos oceanos de outrora


"Barcos de pesca na praia", Vincent van Gogh

onde passaram navios
e sonhos tantos
agora nenhum velame
ou um mero barco
o mar que eu carregava
nos olhos
há muito que secou

hoje meu olhar
mais que continentes
vê desertos do convés
a solidão, suas dunas
meus desencantos secretos
eu errante a noroeste
lendo amores de viés

Um comentário:

Graça Pires disse...

Belo o seu poema.
Nunca seca o mar que carregamos nos olhos. Esse mar volta sempre que nos comovemos e o silêncio nos escorre pela cara.
Um abraço.